Seja Bem Vindo!

"O verdadeiro mestre é aquele que da condições para que seu discípulo o supere".

"O caráter de Cristo em nossas vidas materializa-se não pelas palavras que falamos, mas pelas nossas atitudes e exemplos. Palavras se vão, exemplos ficam". (ARAUJO, Robinson Luis)

"Liderança Cristã é a arte de influenciar pessoas, pela minha vivência espiritual, despertando o interesse em outras, para uma vida eterna com DEUS". Pr (ARAUJO, Robinson Luis)

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Por que Jesus não a condenou?



Estava a refletir no texto: http://prrobinsonluis.blogspot.com.br/2012/09/por-que-nao-atirar-apedra.html, onde foquei o por que não atirar a pedra. Em seguida, vejo aquela mulher, que estava sendo humilhada e envolta de todos os preconceitos que ali eram colocados a tona, quando aqueles homens tentam provar a Jesus. vejamos o que nos fala João 8:10b-11: "Mulher, onde estão aqueles teus acusadores? Ninguém te condenou? E ela disse: Ninguém, Senhor. E disse-lhe Jesus: Nem eu também te condeno; vai-te, e não peques mais". 

Por que Jesus não condenou aquela mulher? O que mais ela precisava, pois já estava condenada pelos homens, o que esperar do Senhor? 

É nesse texto que esta toda a diferença do Mestre, para cada um de nós. Somos levados a nos preocuparmos com a vida alheia, a acusar o pecado das pessoas, sem observar que vivemos em pecado. Não concordamos com o erro dos outros, mas quando o calo aperta para o nosso lado, aí ficamos ariscos, bicudos, viramos um risco, como aqueles homens, os escribas e fariseus. 

Jesus poderia realmente e com toda a firmeza, condenar aquela mulher, mas Ele não o fez. Vejamos alguns motivo: 

1. Era a oportunidade dEle ensinar aqueles acusadores, a maneira de mar o seu semelhante. Com toda a certeza, eles poderiam estar no lugar daquela mulher, pois tinham uma vida pecaminosa e faziam orgias sexuais, mas não aceitavam que os outros faziam, como nos fala em Mateus 22:39: "E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo"; 

2. Ele não veio para condenar, e sim salvar aquele que se havia perdido, dar um recomeço, uma vida nova, com seu passado apagado, conforme João 10:10b: "eu vim para que tenham vida, e a tenham com abundância"; 

3. A preocupação do Senhor é em salvar o que se havia perdido, conforme afirmou em João 8:11b "vai e não peques mais", bem como Lucas 19:10 "Porque o Filho do homem veio buscar e salvar o que se havia perdido"; 

4. Jesus não olhava para as pessoas com ar de condenação, Ele sempre olhava além de sua visão, sabia que mesmo se aquela pessoa havia errado, o seu interior era bom, havia a possibilidade de mudanças, como a escolha de seus discípulos. Se Jesus olhasse para eles, como os homens olham, sem dúvidas não os teriam escolhidos. Mas Ele olhava para o interior, como a maneira que Ele olhou para Pedro, mesmo depois de o haver traído. " E, virando-se o Senhor, olhou para Pedro, e Pedro lembrou-se da palavra do Senhor, como lhe havia dito: Antes que o galo cante hoje, me negarás três vezes. E, saindo Pedro para fora, chorou amargamente" (Lucas 22:61-62). Pedro não chorou porque Jesus o subjugou, ele chorou porque naquele momento, Jesus o amou mais do que tudo. 

Queridos, realmente é um texto surpreendente. Se fosse citar todo o amor e as razões porque Cristo não a condenou, não haveria papel suficiente para escrevermos. O que precisamos entender é: Quem somos nós para julgarmos alguém? Porque a própria Palavra nos diz: " Porque com o juízo com que julgardes sereis julgados, e com a medida com que tiverdes medido vos hão de medir a vós". (Mateus 7:22)

Pr Robinson Luis de Araujo - Aquidauana/MS
citações: (ARAUJO, Robinson Luis)

Nenhum comentário:

Postar um comentário